Promoção de interações sociais entre colegas e criança autista em ambiente de inclusão

Victor Faria Nicolino, Fani Eta Korn Malerbi

Resumen


O objetivo do presente estudo foi verificar a possibilidade de aumentar a freqüência de interações sociais entre uma criança autista e seus colegas sem problemas de desenvolvimento, através da utilização de um procedimento de modelação ao vivo. Os participantes foram um menino (H), com idade de 5 anos, diagnosticado com ASD desde os 3 anos e três colegas da mesma classe (duas meninas e um menino), com idades entre 4 e 5 anos, sem diagnóstico de necessidade especial. A intervenção ocorreu na quinta sessão de observação e consistiu na apresentação de um modelo de interação entre oexperimentador (E) e H. Isto ocorreu na presença de todos os colegas durante as duas atividades (atividade que envolve brinquedos e apresentação de tarefas aos colegas). Os resultados evidenciaram que após a observação da interação entre E e H, os três colegas aumentaram a taxa de iniciações sociais dirigidas a H e este aumentou a taxa de respostas a essas iniciações em relação à Linha de Base. A taxa de interações entre os colegas e H continuou a crescer até atingir uma estabilidade em torno de 3 iniciações/minuto, mantendo-se nesse nível até o término do procedimento de observação na décima segunda sessão.

Palabras clave


autismo; modelação; desenvolvimento atípico; Análise do Comportamento; interações sociais; educação