Duração da fase termófila na compostagem do lodo de esgoto e resíduos vegetais em função de três diferentes tecnologias

Fernando Fernandes, Sandra Márcia Cesário Pereira da Silva, Felipe Gustavo Trennepohl

Resumen


A fase termófila do processo de compostagem é caracterizada pela elevação natural da temperatura e alta taxa de biodegradação da matéria orgânica, graças ao elevado nível de atividade microbiológica. Esta fase, além de fundamental para a qualidade sanitária do produto final, é caracterizada por alto consumo de oxigênio. Após esta fase, tem início a maturação, período de pequena atividade biológica, portanto de menor demanda de aeração. Desta forma, a duração da fase termófila é um dado que define o dimensionamento dos pátios de compostagem ou dimensões dos reatores, influindo diretamente nos custos do processo. Este trabalho apresenta os resultados do monitoramento de misturas similares de lodo de esgoto e resíduos vegetais submetidas ao processo de compostagem com a técnica de leiras revolvidas, leiras aeradas e reator piloto, analisando em cada caso a duração da fase termófila. Nos casos monitorados a duração da fase termófila foi respectivamente de aproximadamente 90 dias para as leiras revolvidas, 20 dias para as leiras aeradas e 8 dias no reator biológico.

Palavras chave : compostagem , lodo de esgoto, fase termófila



Palabras clave


Compostagem; lodo de esgoto; fase termófila

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2009.2.1.13107