CONTROLE DA DRENAGEM ÁCIDA DE MINA DE CARVÃO POR MEIO DE WETLANDS CONSTRUÍDOS

Contenido principal del artículo

Thiago Henrique Ribeiro
Jeanette Beber de Souza

Resumen

 

No presente artigo avaliou-se o desempenho de dois wetlands construídos (WC) de fluxo vertical, operados em batelada, para o tratamento de Drenagem Ácida de Mina (DAM) proveniente de pilhas de rejeito de mineração de carvão. Os wetlands consistiram em dois tipos quanto ao meio suporte da camada basal, um de calcário e outro de granito, sendo ambos complementados por camada de composto orgânico, solo arenoso, esterco bovino e cascas de pinus. A macrófita utilizada como cobertura vegetal, nos dois wetlands, foi do gênero Typha, conhecida como Taboa. Os efluentes foram avaliados em relação aos parâmetros pH e concentração dos metais ferro e manganês antes e após período de detenção hidráulica de 24 horas nos sistemas de tratamento, tendo sido realizada comparação estatística entre os resultados. O efluente final proveniente do wetland de base calcítica apresentou elevação de pH superior àquele de base granítica, cuja maior elevação média observada foi de 2.8 para 5.8. Não houve diferença estatística significativa entre os dois sistemas de tratamento em termos de remoção de ferro e de manganês, tendo sido alcançado, nessa ordem, patamar de 60.9% e 49.3% no sistema composto por calcário e de 59.0% e 45.0% naquele construído com granito. Observou-se boa aplicabilidade dos wetlands construídos no tratamento da DAM, com a ressalva de que, para efluentes com valores de pH muito baixos e elevada concentração de metais, a tecnologia deva ser utilizada como uma alternativa conjugada a outros tipos de tratamento.

 

Detalles del artículo

Cómo citar
Ribeiro, T. H., & de Souza, J. B. (2022). CONTROLE DA DRENAGEM ÁCIDA DE MINA DE CARVÃO POR MEIO DE WETLANDS CONSTRUÍDOS. Revista AIDIS De Ingeniería Y Ciencias Ambientales. Investigación, Desarrollo Y práctica, 15(2), 831–847. https://doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2022.15.2.79422
Biografía del autor/a

Thiago Henrique Ribeiro, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Estadual do Centro Oeste

 

Jeanette Beber de Souza, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Estadual do Centro Oeste

Professora do Departamento de Engenharia Ambiental da Unicentro